Um destino sustentável

 Acompanho o trabalho do meu amigo Langenbeck Andrade Santana, já tem um tempo. Ele trabalhou na unidade que eu trabalhava, e o conheci em um evento no SindipetroNF. Mas sinceramente não me lembro exatamente em qual evento.

Bom, ele me enviou umas fotos do trabalho que ele faz sobre o destino do óleo de cozinha, e achei interessante em compartilhar este conhecimento. Por isso pedi para ele elaborar um texto tendo como finalidade em apresentar o problema e a solução. Tenho certeza que curtirão.

Um litro de óleo de cozinha usado descartado no ralo da pia ou no meio ambiente pode poluir até 25 mil litros de água potável. Além disso, por ser bastante viscoso, há um grande risco de entupimento do encanamento do apartamento e/ou do edifício, o que resulta em altos custos de limpeza para o condômino e o condômino, podendo ser necessária, até mesmo, a troca de parte do encanamento. Sem contar que a sujeira atrai insetos, baratas e ratos.

Os condôminos, mais conscientizados ambientalmente, podem solicitar a coleta do óleo de cozinha em seus condomínios. Infelizmente são pouquíssimas as Prefeituras no país que implantam a coleta seletiva de óleo de cozinha usado, muito menos a coleta seletiva e, quando implantam, excluem os catadores de materiais recicláveis.

As pessoas devem ser orientadas antes da coleta de óleo de cozinha usado ser implantada e tudo começa na cozinha, porque é na cozinha que a grande maioria dos resíduos são gerados.

Pode reciclar uma carcaça de maquina de lavar como coletor de óleo de cozinha usado apenas instalando um fundo de madeira na carcaça.

O condômino deve ter na cozinha de sua residência uma garrafa plástica com tampa para ser usada exclusivamente para coletar o óleo de cozinha usado. O óleo de cozinha usado de ser resfriado, filtrado (sem resíduos sólidos), inserido na garrafa plástica com tampa após ser resfriado e depositado no coletor disponibilizado pelo condomínio. O óleo de cozinha usado não deve ser descartado na pia, no lixo comum ou em qualquer lugar que não seja um coletor específico.

O síndico do condomínio deve buscar na sua cidade a Secretaria Municipal de Meio Ambiente ou então procurar ONGs ou empresas de reciclagem que coletem o óleo usado de cozinha. É interessante instalar um coletor no compartimento de resíduos (lixeira) como ponto de coleta de óleo dentro do prédio para que os moradores possam depositar as garrafas plásticas com o óleo de cozinha usado. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente deve fornecer o contato das empresas e entidades que oferecem o serviço em empresas e condomínios, realizando coletas pré-agendadas nestes locais.

O síndico do condomínio quando faz, uma vez por ano, a manutenção preventiva de toda rede de esgotos do condomínio e a limpeza da caixa de gordura é que certamente encontrará os problemas gerados pelo óleo de cozinha usado.

O óleo de cozinha é reciclável e pode ser usado para produção de biodiesel, sabão, tintas a óleo, massa de vidraceiro e outros produtos. Isso preserva matéria-prima, incentiva a reciclagem e evita que mais litros de óleo sejam descartados de maneira incorreta.

O síndico deve solicitar a profissionais habilitados, capacitados e com experiência reconhecida para ministrar palestras educativas para os condôminos, onde serão instruídos quanto à importância da coleta seletiva, os procedimentos, os perigos da contaminação do meio ambiente pelo óleo e as maneiras para reciclar o óleo e outros materiais.

Langenbeck Andrade Santana, Eng. Químico e de Segurança do Trabalho e Fundador da ONG RECICLE SOCIAL (reciclesocial@outlook.com / cel: 22-99715-6001) - Macaé/RJ