Funcionário multifunção é sinônimo de mais exploração

A Transpetro e a Petrobrás estão adotando todos meios para atacar os trabalhadores. E haja criatividade para fazer tanto mal. Após o PCR, a tentativa de mudança do Estatuto, o equacionamento da Petros entre outras situações, agora querem criar na Transpetro a figura do empregado multifunção. 


E o que vem a ser isso? A empresa quer que os Operadores assumam tarefas dos técnicos de Manutenção, considerando que a automação e as tecnologias 4.0 irão reduzir as atividades operacionais, assim querem que o peão seja operador e exerça atividades de manutenção ao mesmo tempo.

A Transpetro está definindo esta ação como manutenção de primeira linha, ou seja substituição de baterias, de instrumentos, troca de cilindros de gases, ajuste de gaxetas de válvulas entre outras atividades, que hoje são todas desenvolvidas pela Manutenção, cercadas de procedimentos e com apoio da segurança operacional. "Todos estão preocupados, pois há risco para a segurança, o que ocorreu na Replan é um exemplo desse perigo", afirma o coordenador da Regional São Paulo, Vereníssimo Barsante, que ouviu diversas reclamações durante as setoriais.

A ideia irá atingir todos os terminais e unidades da empresa e, como sempre, a alta cúpula age como avestruz, não discutindo o assunto com a FUP e os sindicatos.
"Precisamos estar alertas, nos organizar e resistir", conclama a diretora da FUP e do Unificado, Cibele Vieira.

Essa Transvestruz só apronta! 


Fonte: Sindipetro Unificado (https://www.sindipetrosp.org.br/transpetro)